A Cultura no DN é nacional, lisboeta e centrada no “criador”

Alguns estudos apontam que a mensagem torna-se mais chamativa quando está focada em personagens com quem os leitores se identificam. A maior parte das peças jornalísticas sobre Cultura no Diário de Notícias, no ano 2000, está centrada em pessoas (51%), normalmente representada pela figura do “criador”.

A personalização incide principalmente nos escritores (64 referências), seguidos dos músicos (54 referências), cineastas (28 referências) e atores (23 referências).

Em 2000, a personalidade ligada à Cultura mais citada na primeira página do DN foi Eça de Queirós, devido a comemoração do centenário de sua morte, referido 12 vezes.

Em 2010, o recorde de referências na primeira página pertence a José Saramago, falecido nesse ano.

Diferentemente da ideia de que muita atenção é dada à dimensão internacional da Cultura, em 2000, no DN, 65% das notícias de cultura destacadas na primeira página referiam-se a questões nacionais. Esta tendência registou um pequeno aumento em 2010, passando para 68%.

A  grande maioria dos acontecimentos culturais noticiados na primeira página desse periódico, em ambos os anos, tiveram lugar em Portugal. A investigação identificou também que Lisboa (46%) e Porto (13%) são as duas cidades mais citadas em 2000. Contudo, essa afirmação não é válida para o ano 2010, que focaliza sua atenção principalmente em Lisboa (48%) enquanto o Porto desaparece totalmente.

Uma explicação seria o fato da cidade do Porto ser considerada Capital Europeia da Cultura em 2001, fazendo com que ganhasse destaque nas primeiras páginas do DN durante o ano 2000.

 

DN_2000_20Maio

Comments are closed.