Indústrias culturais e criativas

O termo “indústrias culturais” surge a partir dos anos 80 do século XX para evidenciar a complexidade e a dinâmica associadas entretanto à produção cultural.

O conceito pretende dar conta da existência de uma diversidade de áreas que integram a produção, a distribuição e a oferta de bens e serviços culturais (as áreas da edição impressa e multimédia, a produção fonográfica, o artesanato e o design). Os fatores económico e político passaram entretanto a integrar as indústrias culturais, traduzindo-se na necessidade de democratizar a produção e a distribuição da oferta cultural através de políticas que permitissem ao mercado distribuir os produtos e serviços culturais.

O conceito de “indústrias criativas” tem pouco mais de 20 anos. Teve origem nos anos 90, na Austrália, tendo sido desenvolvido pela Creative Industries Taskforce, criada em 1997, no Reino Unido, durante o Governo de Tony Blair. Actualmente, as indústrias criativas têm um peso considerável na taxa de crescimento de alguns países, como a Inglaterra, a Nova Zelândia, a Austrália, a Holanda ou a Dinamarca, para os quais os sectores cultural e criativo geram mais de 8% dos postos de trabalho.

As indústrias criativas são “aquelas que têm origem na criatividade, capacidade e talento individuais, e que potenciam a criação de riqueza e de empregos através da produção e exploração da propriedade intelectual” (Creative Industries Mapping Document, 1998). Nesse sentido, incluem as seguintes áreas:

- artes e antiguidades; arquitectura; artesanato; design; design de moda; publicidade; cinema e vídeo; software educacional e de lazer; música; artes performativas; difusão por rádio, internet e televisão; edição (escrita e publicação); videojogos.

É possível ainda incluir sectores que envolvam tecnologia de ponta, como a investigação em ciências da vida e engenharia, e o património cultural, turismo e museus. Os trabalhadores que se inserem nestas áreas (e nas respectivas cadeias de valor) são considerados trabalhadores das indústrias criativas – jornalistas, escritores, webdesigners, produtores, publicitários, músicos, webdesigners, editores, etc.

Embora tenham tido origem no conceito de “indústria cultural”, cunhado por Adorno e Horkheimer, e, mais tarde, no de “indústrias culturais”, hoje é cada vez mais unânime que as indústrias culturais são um subsector das indústrias criativas, embora ainda existam muitas dúvidas quanto à diferenciação dos dois termos.

Alguns critérios essenciais para definir as indústrias culturais – criatividade, propriedade intelectual, significado simbólico, valor de uso e métodos de produção – são igualmente aplicáveis nas indústrias criativas. Justin O´Connor diz que o significado simbólico é uma marca das indústrias culturais, pois é do valor cultural que advém o valor económico. Porém, acrescenta às indústrias culturais clássicas as artes visuais, o teatro, a literatura, os museus e as galerias. Outros autores, como David Throsby, acrescentam a publicidade, o design e a arquitectura.

Uma diferenciação objectiva entre indústrias culturais e criativas poderá ser aquela dada por Hesmondhalgh – a primeira incorpora significado simbólico e métodos de produção à escala industrial, como o cinema, o audiovisual a edição e a música gravada. As artes criativas, como o teatro, espectáculos, etc., não empregam métodos de produção à escala industrial, pelo que são removidas do conceito de indústria cultural.

Mesmo assim, este teórico norte-americano está a perder, segundo Stuart Cunningham, o carácter diferenciador da definição de indústrias criativas ao se focalizar em indústrias culturais por ser um termo mais coerente, dado que quer estudar os sectores de entretenimento. O que Hesmondhalgh perde é a dinâmica entre comercial e não-comercial que o termo captura.

A Unesco diferencia indústrias culturais de criativas quanto ao âmbito e ao carácter reprodutivo. As primeiras “combinam a criação, produção e comercialização de conteúdos criativos que são intangíveis e de natureza cultural”, normalmente protegido por leis de propriedade intelectual e que podem tomar a forma de bem ou serviço. Incluem os sectores editorial, multimédia, audiovisual, fonográfico, produções cinematográficas, artesanato e design.

Já as indústrias criativas abarcam um conjunto mais amplo de actividades, incluindo não só as indústrias culturais como toda a produção artística ou cultural, como espectáculo e bens produzidos individualmente. Contêm um elemento artístico ou criativo substancial e por isso incluem sectores como a arquitectura ou publicidade.

52 Comments

  1. Pingback: Stimulating Cock Rings

  2. Pingback: carpet protectors companies

  3. Pingback: jeux de friv

  4. Pingback: Find Out How Today

  5. Pingback: Festivales

  6. Pingback: sscn bkn cpns 2018 gayo lues

  7. Pingback: Bdsm chat

  8. Pingback: satta matka

  9. Pingback: sports uniform supplier qatar

  10. Pingback: Iraq coehuman

  11. Pingback: ADME Assays

  12. Pingback: Paintless Dent Removal Schools

  13. Pingback: gas plumbing services everett wa swg plumbing services houston professional plumbing services oklahoma city cheap plumbing services seattle emergency plumbing services san francisco heating and plumbing services emergency plumbers near me with reviews cos

  14. Pingback: GVK BIO PVT LTD

  15. Pingback: GVK BIO PK

  16. Pingback: Software klinik

  17. Pingback: Christ Gospel Church Cult 2018

  18. Pingback: gvk biosciences updates

  19. Pingback: Tree of Innovation Search Engine Optimization

  20. Pingback: lowongan cpns2018

  21. Pingback: colar

  22. Pingback: seo salt lake city

  23. Pingback: home page

  24. Pingback: satta king

  25. Pingback: carpet cleaning service borehamwood

  26. Pingback: judi poker

  27. Pingback: C++ Tutorial

  28. Pingback: learn

  29. Pingback: iPhone ricondizionati

  30. Pingback: Infrarot Heizfolie

  31. Pingback: Bangalore Escorts

  32. Pingback: Kolkata Escorts

  33. Pingback: Goa Escorts

  34. Pingback: Ambika Ahuja Jaipur Escorts

  35. Pingback: NEHA TYAGI PORN MODEL JAIPUR ESCORTS

  36. Pingback: JAIPUR ESCORTS ALIYA SINHA

  37. Pingback: BANGALORE COMPANION ESCORTS

  38. Pingback: Dhruvi Jaipur Escorts

  39. Pingback: JAIPUR ESCORTS MODEL DRISHYA

  40. Pingback: Jiya Malik High Profile Jaipur Escorts Model

  41. Pingback: FUN WITH JAIPUR ESCORTS PUJA KAUR

  42. Pingback: XXX BANGALORE ESCORTS

  43. Pingback: XXX PORN SAPNA CHAUDHARY ESCORTS

  44. Pingback: Selly Arora Independent Bangalore Escorts

  45. Pingback: Enjoy With Jaipur Escorts Tanisha Walia

  46. Pingback: RUBEENA RUSSIAN BANGALORE ESCORTS

  47. Pingback: Bristy Roy Independent Bangalore Escorts

  48. Pingback: XXX PORN SRUTHI PATHAK MODEL ESCORTS

  49. Pingback: Bangalore Escorts Sneha Despandey

  50. Pingback: XXX PORN MODEL HONEY PREET ESCORTS

  51. Pingback: XXX PORN Radhika Apte Model Escort

  52. Pingback: hoverboard for sale