Bibliografia

ADORNO, T. (1991). Culture Industry Reconsidered, Routledge, New York.
ADORNO,T. e Horkheimer, M. (1985). A Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
ALVES, Dinis Manuel (2003). Foi Você que pediu um Bom Título?. Coimbra: Quarteto Editora.
ARISTÓTELES, Retórica, 1358a. In: Idem. Obras completas, v. 8, t. 1. Trad. Manuel Alexandre Jr.; Paulo Farmhouse Alberto; Abel do Nascimento Pena. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.
ARUGUETE, N. (2005). “Los medios de comunicación y la formación de la agenda pública”. Verso e Reverso: Revista de Comunicação, 41: 80-9.
BARTHES, Roland (1980). A Câmara Clara. Nota sobre fotografia. Lisboa, Ed. 70.
BARTHES, Roland (1984). Mitologias. Tradução de José Augusto Seabra. Lisboa, Edições 70 (original de 1957).
BOURDIEU, P. (2006). O Intelectual Total e a Ilusão da Omnipotência do Pensamento in As Regras da Arte, tradução de Miguel Serras Pereira. Lisboa, Presença.
BOURDIEU, P. (1993). The Field of Cultural Production, Polity, Cambridge.
BOURDIEU, Pierre (1994). O Poder Simbólico. Lisboa, Difel.
BOURDIEU, Pierre (2010). A Distinção – Uma Crítica Social da Faculdade do Juízo. Lisboa, Edições 70.
BRAGANÇA DE MIRANDA, J. A. (1998). Traços – Ensaios de crítica da Cultura, Lisboa, Vega.
BRIGGS, A., & BURKE, P. (2006). Uma história social da mídia: de Gutenberg à internet. Jorge Zahar, Rio de Janeiro. Cambridge, England: Polity Press.
CARLYLE, T. (1908). Les héros – Le culte des héros et l´héroique dans l’histoire, [Mardi, 19 mai 1840] , Paris, ed. Librairie Armand Colin, 9ª edição.
CARMO, T. (2006). “Evolução portuguesa do jornalismo cultural”. Obtido em 23 de abril de 2013, de Janus: http://janusonline.pt/2006/2006_2_2_9.html
CERVI, E., & MASSUCHIN, M. (2003). “Agenda da mídia impressa brasileira durante o período eleitoral de 2010: a visibilidade dos temas políticos, sociais e de entretenimento”. Observatorio (OBS*) Journal, 7: 219-242.
COHEN, B. (1963).The press and foreign policy. Princeton University Press, Princeton.
CONTROLINVESTE. 15 de janeiro de 2009, Controlinveste. Obtido em 16 de abril de 2013, de http://www.controlinveste.pt/storage/ng1078600.pdf
DAYAN, D. Televisão e públicos no funeral de Diana, (2004). Coimbra, Minerva Editora.
DAYAN, D. e Katz, E. (2001). A história em directo – Os acontecimentos mediáticos na televisão. Coimbra, Minerva Editora.
DEBRAY, R. (1992). Vie et Mort de l’image. Une histoire du regard en Occident. Paris, Gallimard.
Directiva 2010/13/UE do Parlamento Europeu e do Conselho de 10 de Março de 2010 . Jornal Oficial da União Europeia. [Em linha]. [Consut.1 abril 2013]. Disponível em
EC. 2012, “Annual Growth Survey 2013″. Communication, Brussels.
FARO, J. S. (2009). Dimensão e prática do jornalismo cultural, Revista Fronteiras – Estudos Mediáticos, 11:1, 54-62, Janeiro/Abril.
FENTON, N. (2010). New media, olg news: journalism and democracy in the digital age. Sage Publications Ltd, London.
FERREIRA, J. (2002). Capas de Jornal: A primeira imagem e o espaço gráfico visual. Senac, São Paulo.
FLEW T.; Cunningham, S. (2010). Creative Industries after the First Decade of Debate, The Information Society: An International Journal, 26:2, 113-123.
FOG, A. (2004). “The supposed and the real role of mass media in modern democracy”. Obtido em 5 de abril de 2013, de Agner Fog Research: http://www.agner.org/cultsel/mediacrisis.pdf
FONTCUBERTA Mar de (1999). A Notícia: Pistas para compreender o mundo. Lisboa: Editorial Notícias.
FOUCAULT, M. (1992). O que é Um autor ?. Tradução de Fernando António Cascais e Edmundo Cordeiro, Lisboa, Vega.
FRANKLIN, B. (2008). “The future of newspapers”. Journalism Studies, 9: 630-641.
FREUND, G. (1989). Fotografia e Sociedade. Lisboa: Editorial Vega.
FROM, U. (2009). Reading cultural and lifestyle journalism in online and print newspapers. The future of journalism conference. Cardiff University, September 2009(pp. 1-10).
German, and U.S. Newspapers, 1955 to 2005. American Sociological Review, 73(5), 719-740. doi:10.1177/000312240807300502
GUREVITCH, M., & BLUMLER, J.(1990). “Political communication systemes and democratic values”. In D. Graber, Media Power and Politics (pp. 24-35) Congressional Quarterly Press, Washington DC.
HABERMAS, J. (1988). L’éspace public – Archéologie de la publicité comme dimension constitutive de la societé bourgeoise, Paris, Payot
HARRIES, G.; WAHL-JORGENSEN, K. (2007). “The culture of arts journalists”, Journalism, 8 (6), 619 -639.
HARTLEY, J. (2005). Creative industries. Blackwell, Malden, MA, Oxford e Victoria.
HESMONDHALGH, D. (2007). The Cultural Industries. London, Sage Publications.
JANSSEN, S., Kuipers, G., & Verboord, M. (2008). Cultural Globalization and Arts Journalism: The International Orientation of Arts and Culture Coverage in Dutch, French, 10
KEANE, J. (1991). The Media and Democracy. Polity Press, Cambridge.
KELLNER, D. (1995). Media Culture: Cultural Studies, Identity and Politics between the Modern and the Postmodern, Routledge, London.
KELLNER, D. (2004). The Media and Social Problems. In G. Ritzer, Handbook of Social Problems: A Comparative International Perspective. Thousand Oaks: Sage.
KRISTENSEN, N. N. (2010). The historical transformation of cultural journalism. Northern Lights, 8, 69-92. doi:10.1386/nl.8.69.
LANG, K., & LANG, G. (1955). ’The Inferential Structure of Political Commumcations: A Study in Unwitting Bias. Bias’, Public Opinion Quarterly: 168-183.
LARAIA, R. (1999). Cultura: um conceito antropológico. Zahar, São Paulo.
MACCOMBS, M., & SHAW, D. (1972). “The agenda-setting functuon of mass media”. The public opinion quartely, 36: 176-187.
MCCHESNEY, R. (1999). Rich Media, Poor Democracy: Communication Politics in Dubious Times. University of Illinois Press, Illinois.
MACCOMBS, M., & SHAW, D.(1977). “Structuring the unseen environment”, Journal of Communication,
MELO, I.(2010).”Jornalismo Cultural: Pelo encontro da clareza do jornalismo com a densidade e complexidade da cultura”. BOCC: 1-12.
MESQUITA, M. (2003). O Quarto equívoco – O poder dos media na sociedade contemporânea, Coimbra, Minerva Editora.
MOREIRA, J. (2004). 11 de setembro de 2001: Construção de uma catástrofe nas primeiras páginas de jornais impressos. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
MORIN, E. (1980). As Estrelas de Cinema. Lisboa, Livros Horizonte.
MOTA, A. (1986). “Jornalismo Cultural: o avatar e o voto”. Actas do II Encontro Afro-Luso-Brasileiro: 89-94. Veja, Lisboa.
PINTO, M. (coord.), Pereira, S., Pereira, L. & Dias, T. D. (2011). Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos, Lisboa: Entidade Reguladora para a Comunicação Social/CECS, Universidade do Minho.
PINTO, M. (2003). `Correntes da educação para os media em Portugal: retrospectiva e horizontes em tempos de mudança‘, Revista Ibero-Americana, Mayo-Agosto 2003,
PINTO, Manuel (2004). ´Ventos cruzados sobre o campo jornalístico. Percepções de profissionais sobre as mudanças em curso.` In Actas do III Congresso da SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO – Volume IV pp. 123-131[Em linha]. [Consut.4 abril 2013]. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/pinto-manuel-ventos-cruzados-sobre-campo-jornalistico.pdf.
PIZA, D. (2004). Jornalismo Cultural, Contexto, S. Paulo.
Portal da Literacia Mediática. O portal da literacia para os media. [Em linha]. Minho. [Consut. 1 abril 2013]. Disponível  http://www.literaciamediatica.pt/pt.
RIVERA, J. (1995). El periodismo cultural. Paidós, Buenos Aires.
RIVERA, J. (2003). El periodismo cultural. Buenos Aires: Paidós.
S/autor (1998). Livro de Estilo do Público. Lisboa, Público. [Em linha]. [Consut.4 abril 2013]. Disponível em: http://static.publico.pt/nos/livro_estilo/12-regras-c.html.
SANTOS SILVA, D. (2009). “Tendências do Jornalismo Cultural em Portugal”, In 6º Congresso SOPCOM / 4.º Congresso Ibérico, Lisboa.
SANTOS SILVA, D. (2012). Cultura e Jornalismo Cultural. Lisboa: Media XXI.
Saperas, Os efeitos cognitivos da comunicação de massa 1970-1986, Edições Asa, p. 20
SCHUDSON, M. (1978). Discovering The News: A Social History Of American Newspapers. Basic Books, New York.
SHAW (2004). Setting the Agenda: The Mass Media and Public Opinion.
SILVA, D. S. (2012). Cultura e Jornalismo Cultural: Tendências e desafios, no contexto das indústrias culturais e criativas. Media XXI, Lisboa.
TUBAU, I. (1982). Teoría y práctica del periodismo cultural. Editorial ATE – Textos de Periodismo, Barcelona.
UNESCO. (2002). Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural . Obtido em 6 de maio de 2013, de http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf
VARGAS, A.P. (2011). Música e Poder. Para uma sociologia da ausência da música portuguesa no contexto europeu. Coimbra: Almedina.
VARGAS, H. (2004). “Reflexões sobre o jornalismo cultural contemporâneo”. Estudos de Jornalismo e Relações Públicas, São Bernardo dos Campos – SP.
WINCH, S. P. (1997). Mapping the cultural space of journalism: how journalists distinguish news from entertainment, Praeger, New York.
WOLF, M. (2006). Teorias da Comunicação. Lisboa: Editorial Presença.
ZAID, G. (2006). Periodismo cultural. Obtido em 23 de maio de 2013, de Letras Libres: http://letraslibres.com/revista/convivio/periodismo-cultural-0