DNA

 

Diário De Notícias – DNA

O DNA foi um suplemento do Diário de Notícias criado em 1996 que terminou em Janeiro de 2006, logo após a festa do seu 9º Aniversário. No editorial de 25 Novembro de 2005, Pedro Rolo Duarte, o autor e editor do DNA, apresentava em 10 pontos a linha editorial do que tinha sido este suplemento, nascido com uma vocação complementar.

O DNA dedicava-se a temas de cultura, e criou um universo para esta definição — literatura, música, política, grandes questões de lifestyle, figuras públicas, mas também teatro, música, vinhos e gastronomia, turismo e viagens. Não sendo exclusivamente um suplemento de cultura, é cultural o seu ponto de vista e a sua abordagem dos fenómenos.
Quanto aos géneros jornalísticos, dominava a crítica e a crónica (dois dos cronistas mais famosos foram Miguel Esteves Cardoso e o escritor Mário Vargas Llosa), além de publicar semanalmente uma longa entrevista a uma figura pública, muitas vezes oriunda do campo cultural, numa abordagem de perfil psicológico, e o comentário.
Era um suplemento onde se salientava mais o pensamento e o gosto dos autores do que a a agenda ou a objectividade jornalística, como é expressamente defendido pelo editor Pedro Rolo Duarte num editorial publicado em 25 de Novembro de 2005:
O DNA é um suplemento do Diário de Notícias. Complementar significa, neste caso, acrescentar. O DNA deve acrescentar criatividade, reflexão, profundidade e personalização. Deve ser uma vez por semana o que o DN, pela sua natureza, não pode ser todos os dias (…) No DNA não procuramos objectividade nem verdade. Procuramos sinceridade, seriedade, e uma clara noção de ética (…) As matérias do DNA devem ser o reflexo dos factos no pensamento de quem os escreve. Não há uma entidade DNA – há a soma das identidades que o produzem. O anonimato é proibido e a ocultação do poder do autor no seu trabalho é sempre de lamentar. Cada imagem, cada palavra, cada traço têm um peso — e um autor“.

DN - DNA CAPA