Público – Leituras

 Público – Leituras

Suplemento literário do Público, inteiramente dedicado a livros, literatura, autores, editores, com muitas recensões e críticas de livros. Publicou-se entre Maio de 1996 e Novembro de 2000, ano em que foi absorvido pelo Milfolhas (que por sua vez durou até 2007).

Tinha entre 8 a 12 paginas páginas, em torno de um tema de capa.

A última página era a crónica de Eduardo Prado Coelho e a crónica era acompanhada de uma ilustração.

A coluna de Isabel Coutinho – Ciberescritas desde 18.05.1996 – sobre o mundo digital dos livros e das editoras – que ainda se mantém actualmente no suplemento Ípsilon. Um suplemento herdeiro dos suplementos literários, onde além dos jornalistas da redacção, escrevem colaboradores do meio académico ou artístico. Por exemplo, num número dedicado a Hölderlin, João Barrento escreve a crítica à edição portuguesa. Noutro número dedicado a Emily Dickinson, escreve Ana Luisa Amaral, especialista e tradutora da poeta americana. São várias as páginas de críticas e recensões de livros, assegurando uma cobertura bastante significativa do mercado editorial, tanto em géneros, como autores.

Grande atenção dada aos autores e ao mercado nacional, mas também aos grandes acontecimentos editoriais europeus e americanos, nalguns casos com dossiês temáticos.

Com a extinção do Leituras, os temas de literatura e de livros passaram a ser tratados no suplemento Milfolhas que se iniciou  a 11 de Novembro de 2000 e durou até 2007.

 

Público LEITURAS

Comments are closed.